terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Dicas para a pesca Cat-fish - O bagre.


De volta a minha casa, depois de um longo Carnaval com muitas pescarias, trago informações sobre uma espécie que há um tempo já prometia, o cat - fish.

Este peixe de carne muito saborosa (parecida com a do pintado) é 'brigador' o que dá ao pescador, boa esportividade, satisfação e prazer em travar com ele aquela 'boa briga' .

Em pesqueiros com tanques limpos, construídos artificialmente, o local que verifiquei por mais vezes encontrá-lo foi no meio do lago, alcançado através de arremeço da isca com caniço e molinete - isca fisgada para trabalhar no fundo - melhor com minhocas ou minhocoçú - fazendo um 'bolo' bem grande no anzol, que deve ser de número 5 ou maior.

Mas se quiser, também pode pescá-lo com vara de bambú os telescópica de + ou - 4 metros com linha 0,50 mm, próximo à margem, e que, certamente, o fará ter momentos extremamente tensos e prazerosos.

A boca do cat-fish é bem grande, assim como seu apetite, portanto, quanto maior quantidade de isca no anzol, mais fácil será a chance de chamar a atenção deste peixe.

Já nos pesqueiros mais 'rústicos', mais naturais (açudes pré existentes, pouco modernizados) esta categoria de bagre, por isso sua boca grande - o cat-fish é um peixe que vive próximos às galhadas, nas partes mais preservadas, aquelas com mais entulho natural (troncos, enrroscos, galhadas etc).

Para se ter uma melhor noção do apetite e voracidade deste 'cidadão' come algo em torno de 4 a 5% do peso de seu peso vivo, considerando que em pesqueiros não é comum ultrapassar 10 kgs.

Esta espécie não tem dentes salientes e sim uma espécie de lixa pois, ao se alimentar, ele não morde a isca e sim engole, como fazem os demais seus primos bagres.

Esses peixes são "de couro", não tem escamas, mas, em contra partida, tem temíveis ferrões dispostos nas nadadeiras dorsal superior e peitorais e que, mesmo após capturados para alimentação, podem machucar seriamente quando no processo de limpeza, por isso, cuidado.

O cat-fish é comumente encontrado, pescado e saboreado no Sul dos Estados Unidos, e faz grande parte da produção aquícola.

O maior exemplar já pescado que se tem notícia é de uma espécie existente na Tailândia, acreditem... de quase 300 (trezentos) kilos!!!!.

Por último e como sugestão, vai a forma de como prefiro saboreá-lo:

a- após limpo, corte-o em postas de mais ou menos 3 cm de expessura e leve-o à grelha;
b- enquanto está sendo grelhado sem qualquer tempero, prepare o molho que servirá para regá-lo após assado;
c- limão verde (suco de 3 limões), azeite puro de oliva extra virgem (200 ml), uma pitada de pimenta do reino, 1 dente de alho grande bem exprimido e sal a gosto, tudo bem misturadinho.

Pronto e bom apetite!

Um comentário:

José disse...

Caro pescador Zeca,estou muito contente em ler em seu blog, coisas de peixes que ainda eu nao conhecia. Continue assim escrevendo muito bem,procure quando escrever sobre lulas,lebrar que esse nome da dor de barriga,nojo,enjoo o muito mais ok. Sou seu admirador. Sou parente dos que sao pegos. Assinado Tubarao Sardinha e nao sou portugues amigo do ZE EDU.